sábado, 29 de dezembro de 2012

Capitulo 15


ps: as partes que tem (Play) é para dar inicio e você tem que ler com musica para dar o clima 
 Play 1: http://www.youtube.com/watch?v=p-H1udC3SLA
Play 2: http://www.youtube.com/watch?v=zYXjLbMZFmo


                                        Roxy’s Pov

Acordei ainda meio tonta por tudo que tinha acontecido no dia anterior, brigas, reconciliações, fofocas, ligação, putas vindo pra cá. Levantei e peguei meu ipod e meus fones de ouvido, por pura coincidência uma musica que estava me definindo hoje começou a tocar: So What, Pink. A vontade em que eu estava de bater naquelas primas que estavam vindo era monstra. Peguei o meu celular e vi que tinha algumas sms.

“Ainda não desiste de você xx Zach”

“Mal posso esperar pra te ver priminha linda xx Bel”

“Você não vai escapar de mim tão fácil xx Nathan”

“Venha nos pegar no aeroporto amanhã as 18:00 xx Mandy”

Eu não sabia se sorria pela sms do Nathan ou se jogava o celular por causa da sms daqueles três putos. Optei pela segunda opção o que fez um barulho, digamos que meio alto. Por sorte a Megan não estava em casa, provavelmente estava na Academy ensaiando para a turnê.

Como eu estava sozinha e a Meg não iria me irritar, peguei as minhas baquetas e comecei a fazer um pouco de barulho, tinha tantas coisas passando pela minha cabeça, que eu nem percebi quando quebrei a minha baqueta, o melhor... eu não tinha uma reserva.

Sai revoltada do meu quarto, peguei a minha bolsa e chamei um táxi, minutos depois eu já estava no shopping, algumas pessoas me olhavam meio estranho e eu simplemente ignorava, entrei na primeira loja de instrumentos musicais que eu vi e um carinha veio me atender.

- Boa tarde, esta procurando algo em especial? - ele perguntou sorrindo.

- Preciso de baquetas novas, quebrei as minhas.

- Revoltada com as revistas?

- Como você sabe disso?

- Digamos que quando se trata de cantores famosos as Noticias correm rápido.

- Ai que maravilha, mais essa pra minha vida.

- É só não ligar pra isso.

- Meio complicado quando a mãe da sua amiga é super controladora e te proibe de ver o cara que você gosta. - sorri fraco.

- Boa sorte pra você então. - ele disse me entregando as baquetas e apontando onde eu deveria pagar.

Comprei o que eu precisava e me despedi do cara que tinha sido super gente boa, como eu já estava ali mesmo, resolvi dar uma volta e comprar umas roupas, comprei umas camisetas, umas coisinhas pra Megan, até que avistei uma loja e vi uma jaqueta que era a cara do Nathan, não resiste e a comprei.  Só por que a mãe da Megan estava falando que não era pra encontrar com eles não quer dizer que eu iria obedecer, afinal eu sempre fui descontrolada e metida a rebelde. Depois de tudo comprado voltei pra casa ouvindo uma das minhas musicas preferidas: I write sins Not tragedies. Quando cheguei havia alguém sentado na porta me esperando, eu acho.

- Jay?

- Até que enfim alguém chegou. - ele comentou se levantando e vindo me abraçar.

- Eu fui no shopping eu quebrei minha baqueta e bem... acabei comprando mais umas coisinhas.

- Eu to vendo, deixa eu te ajudar. - ele disse segurando as sacolas mais pesadas.

- Obrigada. - sorri. - agora deixa eu abrir a porta, por que conversar aqui não da né?!

- Eu acho melhor. - assim que entramos largamos tudo no sofá e fomos até a cozinha comer alguma coisa.

- Então o que devo a honra da sua visita?

- Eu passei só pra ver como vocês estavam com tudo.

- Own que amor, mas estamos tentando acreditar que isso aconteceu.

- É até nós estamos tentando enteder. Mas amanhã tem ensaio, você vai?

- Lógico que sim, to nem ai pro que a mãe da Megan vai falar, eu não posso abandonar a minha carreira assim.

- Só sua carreira? - ele fez biquinho.

- Vocês também não Jay, ta afim de uma cerveja? - perguntei abrindo a geladeira.

- Já que você ofereceu, eu aceito.

- Mas e então como ta o clima com os meninos?

- Um tanto quanto tenso pra falar a verdade, eles acham que você vai sair da banda, o Max ta extremamente triste...

 - Bem... sair da banda eu não vou, e fala pro Max ficar bem por que a Megan vai dar um jeito.

- Tomara que sim... mas e então nada de assuntos tristes, o que você comprou além das baquetas?

- Umas camisetas, uns cremes pra Megan, comprei uma jaqueta pro Nathan que achei a cara dele.

- E pra mim?

- Oh Bird não achei nada que fosse a sua cara, mas pode deixar que quando eu for no shopping de novo compro alguma coisinha.

- Vou ficar esperando.

- Besta!! Ta afim de jogar um play?

- Lógico, a gente não faz isso faz um tempinho já.

- Jay já falei pra você que você é como um irmão pra mim? Momento fofo da Roxy.

- Não mas obrigado, te considero uma irmã também, por isso vim saber se você esta bem.

- Fora eu ter que gastar o meu dinheiro com uma baqueta, eu estou legal. - eu disse puxando-o para a sala.

- E ai o que vamos jogar?

- Não sei você escolhe.

- Oi! - Megan entrou no apartamento, jogando as chaves na mesinha.

- Oi. – eu e o Jay respondemos juntos.

- Tchau. – ela passou por nós e subiu as escadas.

- Vixe o que deu nela? - Jay sussurrou.

- Não faço ideia, mais tarde eu converso com ela... mas agora vamos jogar.

- Dessa vez eu ganho.

- É o que vamos ver então. - eu empurrei o Jay e ele retribuiu um pouco mais forte, começamos a jogar Mortal Kombat por escolha dele, e com certeza Jay iria perder. Depois de minutos jogando e ganhando todas o Max resolveu dar o ar da graça.

- E ai? – Max perguntou.

- E ai o que? Como assim? – perguntei indignada, como ele aparecia em casa do nada e ainda nem dava oi direito.

- Tchau! – ele subiu as escadas correndo.

                                        Max’s Pov

Passei por aqueles dois viciados na sala e subi as escadas sem fazer muito barulho, parei na frente da porta do quarto da Megan e bati levemente.

- Meg...Meg você ta ai? - na segunda batida a porta se abriu sozinha, empurrei e entrei no quarto. Vi ela deitada na cama cochilando, toda enrolada com o Edredom.

- Preguiçosa. - rolei os olhos e sentei na cama lentamente. Toquei em seu pé, fazendo círculos mas ela só fez gemer um pouco. Fiquei em pé e fui até seu rosto, dei um beijo em sua bochecha mas ela deu um tapa em mim, sem querer.

- Me deixa dormir. - ela sussurrou.

- MEGAAAAAAAN! - gritei e só vi quando ela levantou a cabeça rapidamente e bater em meu nariz, fazendo uma dor forte percorrer o meu rosto. - AIIIIII! - coloquei a mão no rosto e ela m e olhou espantada.

- MAX! AI MEU DEUS TA BEM? - ela puxou minhas mãos do rosto e o examinou -não ta saindo sangue nem nada. - senti seus braços envolverem meu pescoço, me puxando para a cama.

- Ta doendo um pouco. - falei fazendo drama e ela beijou o local.

- Quem manda gritar idiota! Quase morri de susto. - falou rindo.

- E eu quase morro de dor.

- Chega de drama Maximillian! - ela sorriu e reparei que estava só com uma Blusa de dormir e calcinha.

- Gostei da roupa. - sorri malicioso.

- Nem vem que eu to cansada. - ela falou fazendo todas as minhas esperanças acabarem.

- Cansada de mim? Já?

- Cansada do ensaio. – falou.

- Ah, o ensaio com o Tarado. - falei e logo recebi um tapa na cabeça.

- Olha quem fala, outro tarado!

- Mas você não quer aceitar a minha tara então fica ai dormindo doente! - falei me levantando da cama.

- Vai aonde idiota? Não mandei você ir embora, pode voltar pra cama já! - sorri e me joguei em cima dela, que sorriu e me abraçou. 

- você pesa Max!

- Não sou gordo, é gostosura. - falei e ela me abraçou.

- Uhum ta.

- É muito musculo. - falei perto do seu rosto, lhe dando um selinho.

- Sua bunda que é grande demais. - senti ela apertar e a encarei.

- Que isso Megan?

- Quer dizer que você pode apertar a minha e eu não posso a sua? - senti outro aperto.

- Não é que...

- O que Max? - ela me olhou.

- Na posição que estamos, eu por cima, você apertando a minha bunda e com essa roupa eu to ficando excitado. - a olhei maliciosamente.

- Tchau Maximillian! - ela me empurrou fazendo eu cair na cama.

- Não precisava disso.

- Vou me trocar fica ai - ela se levantou e foi para o banheiro. Que tal a visão de sua bela bunda, essa eu vi perfeitamente. Me sentei, encostando as costas na cabeceira da cama. Peguei os potes de cremes que tinha no criado mudo e fiquei lendo os rótulos, pra que diabos ela passava aquilo? Acho que tem alguma coisa a ver com esse negocio de Ballet sei lá, estava entretido quando vi a porta se abrir.

- O que é isso Max? - perguntou Roxy assustada.

- Isso o que? – a encarei.

- Vocês estavam...

- Nós? Não! porque? - olhei incrédulo para ela tentando entender o porque da pergunta.

- Não sei você ta largadão ai na cama, vai saber né.

- Vai a merda Roxy. – sorri dela.

- Vai dar Max. Cadê a Meg?

- Queria mas ela não quer. Ta no banheiro se enfeitando pelo demora. - rolei os olhos.

- Ouvi meu Nome? - Meg saiu do banheiro.

- É a gente tava falando sobre você não querer dar pro Max. - Roxy deu de ombros.

- Nossa que conversa é essa hein? Max eu já falei amorzinho, agora não que ainda ta de manhã, deixe de ser tarado.

- Para isso não tem hora nem lugar - sorri.

- Não tem mesmo Megan, esse pensamento é muito antiquado. - Roxy riu.

- É porque você adota esse sistema de "a toda hora em todo o lugar" com o Nathan. - Meg fez cara de irônica e eu gargalhei.

- Quer coisa melhor? Aposto que o Max ia amar se você fizesse isso com ele.

- Ô se ia. - falei e Megan ficou vermelha.

- Ta chega dessa história - ela falou

- Roxy o que você queria falar? - perguntei interessado.

- Eu vim avisar que as putas vão chegar hoje as 18:00 e vamos ter que ir buscar elas, Megan.

- Não quero ir buscar aquelas vacas. - Megan se sentou em frente ao espelho.

- Nossa, porque essa raiva toda delas? – perguntei.

- Bel é a vaca que pegou o Zach. – comentou Roxy.

- Mandy tomou meu lugar na escola de Ballet e bom...meu primeiro namorado. - Megan falou.

- Nossa que historias e essa Bel é a da confusão?

- É ela mesmo que eu soquei até não poder mais.

- E ainda vem pra cá como se nada tivesse acontecido? - perguntei surpreso.

- Essas são as minhas primas.

- E o pior que vamos ter que ficar longe de vocês, ou seja, sem agarramento no meio do público. -Megan falou triste.

- Só escondido. – Roxy piscou.

- Pera...escondido? Agora vai ser assim? Vamos nos encontrar escondidos? – perguntei.

- Meu filho se você quiser ver a Megan vai ter que ser assim.

- Infelizmente. – falei.

- Lute por mim. - Megan riu.

- Sempre. - falei piscando para ela.

- Ai que melação! - Roxy comentou.

- Nossa que interessante você. - Megan jogou seu creme nela.

- Não curti, achei agressivo.

- Foi pra doer que eu joguei.

- Engraçadinha. - Roxy mostrou a língua.

- Chega disso. – falei me levantando da cama.

- E ai o que temos pra hoje?

- Buscar suas primas. - falei

- Nenhum pub, festa, balada, nada?

- Pub mais tarde? – perguntei para as duas.

- Eu topo, mas nada de aproximação, só escondido.

- É, temos que ficar longe de vocês. – Megan falou.

- Não acredito, vai ser horrível.

- Horrível? Vai ser um pesadelo, as mocreias vão junto

- E como vocês vão se sentar com a gente se elas vão para vigiar vocês? - cheguei perto de Megan e comecei a pegar em sua orelha, por puro impulso, vi pelo espelho ela rindo.

- A gente senta perto, e da uns perdidos lá depois. - respondeu Roxy.

- Roxy você tem as melhores ideias! Então as 20:00? – perguntei.

- Perfeito!!

- Então tchau. - puxei o rosto de Megan e selei nossos lábios.

- Mereço, vai embora logo Max.

- Quer um beijinho também? - caminhei até ela fazendo biquinho.

- Acho que o Nathan não ficaria muito feliz com essa pergunta, e bler eu recuso.

- É melhor recusar mesmo se não quiser ficar sem os lábios. - Megan falou enquanto eu saia do quarto, desci as escadas e vi Jay no sofá

- Vamos cara?

- Vamos!!

Saímos do Apê e caminhamos até em casa. Tínhamos que nos preparar mentalmente para as Primas delas e para o que vira acontecer.

                                       Roxy's Pov

Depois que os meninos foram embora eu e a Megan ficamos mongando no apartamento, comendo e vendo um pouco de tv, quando percebemos já era 18:30, chegaríamos um pouco atrasadas pra buscar as pirigas mas não tinha problema.

Entramos no carro e fomos em direção ao aeroporto cantando uma musica qualquer e fazendo bagunça no carro, não sei por que estávamos animadas, afinal teríamos algumas semanas perturbadas a caminho.

Chegamos no aeroporto e elas já estavam nos esperando com aquela cara de bosta, a única coisa que eu reparei foi o nariz meio torto da Bel, depois que eu bati nela aquele nunca mais foi o mesmo.

- Olá priminha. - Bel disse.

- Oi! - fiz cara de desgosto.

- Como vocês estão? - Mandy perguntou.

- Já estivemos melhores. - Megan deu de ombros.

- Vamos embora logo. - falei puxando uma das malas.

- O que vamos fazer hoje, pra vocês estarem com tanta pressa? - Bel perguntou curiosa.

- vamos levar vocês em um pub as 20:00. - respondi.

- Obaaaaaa! - gritou mandy

- Cala a boca menina, ta ficando louca? - Megan falou brava.

- Entrem logo nessa bosta e vamos embora. - falei abrindo a porta do carro, elas entraram e minutos depois já estávamos indo para casa, Mandy e Bel não calavam a boca, minha cabeça já estava quase explodindo de tanto ouvir a voz delas.

Arranhei meu rosto e a Megan soltou um sorriso de leve percebendo a minha revolta, quando chegamos sai correndo e entrei no apartamento o mais rápido que pude, me joguei na minha cama e enfiei a cara no travisseiro, comecei a gritar de tão nervosa que eu estava.

- Quer morrer? - Megan perguntou entrando no quarto.

- Não quero aturar essas dai...

- Calma daqui uns dias elas vão embora, é só por um tempo, você conhece os meus pais...

- Eu quero gritar com seus pais por isso.

- E você acha que eu não? Mas agora levanta e vai se arrumar, temos um pub pra frequentar hoje a noite.

Peguei minha toalha e fui até o banheiro, tomei meu banho longo e demorado tentando acreditar que tudo o que estava acontecendo era real. Me vesti (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=67209414&.locale=pt-br) e fui até a minha bateria tocar um pouquinho para extravasar a raiva.

- Já começou com o barulho?

- A raiva tem que ir pra algum lugar.

- Mas vai quebrar outra baqueta? Porque não faz como eu e relaxa dançando Ballet? Queima calorias e não faz barulho.

- Justamente por que não faz barulho.

- Você é louca

- Um pouquinho só, entra ai deixa eu ver sua roupa.

- Feia ou ridícula? – ela perguntou entrando no quarto, o que fez com que eu conseguisse ver a roupa dela (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=67215351&.locale=pt-br).

- Ta arrasando como sempre.

- Nem sabe mentir.

- Vai dar Megan.

- Pro Max?

- Você que sabe. – falei rindo.

- Claro que é pra ele, mas vamos ficar quietas porque as paredes tem ouvidos.

- Vamos pra sala esperar elas né?! - perguntei jogando as baquetas na cama.

- Tenho outra opção?

- Não! Agora vamos logo. - puxei ela pelo braço e fomos até a sala onde as duas já estavam nos esperando.

- Estão prontas? - perguntou Meg pegando as chaves do carro.

- Há muito tempo. - respondeu Mandy revirando os olhos.

- Que bom então agora vamos. - falei empurrando as duas pra fora do apartamento.

Fomos para o pub com elas falando descontroladamente sobre os garotos que queriam conhecer e afins, eu já estava quase me descabelando enquanto a Meg apenas revirava os olhos tranquila, chegamos no local e entramos rapidamente sem que ninguém percebesse.

- Vamos sentar naquela mesa ali. - Megan apontou e saquei o porque, os meninos estavam sentados logo na outra mesa e nos olhavam discretamente.

- Nada de escândalos ouviram? - apontei para as minhas duas primas. Seguimos Meg e nos sentamos, pedi uma garrafa de tequila enquanto as outras duas pediram cerveja, definitivamente fracas.

- Roxy, olha os meninos. - Megan sussurrou no meu ouvido.

- Já vi. - sorri. Olhei pra Nathan que estava rindo com o Tom e quando viu que eu estava olhando pra ele, deu uma piscadinha me fazendo rir.

- Olha que gatinhos... pera aqueles dali não são o The Wanted? - Mandy quase gritou.

- Sei lá. – dei de ombros.

- Você não trabalha com eles? - Bel perguntou.

- Trabalho, mas não saiu com eles, apenas trabalho, relação profissional.

- Meninas. - Siva falou alto e levantou a mão, como se falasse com alguém de trabalho, apenas.

- Mas a mãe de vocês disseram que era uns cara de uma banda que erámos para tomarmos  conta - Mandy miou com sua voz chata.

- Não temos nenhuma relação com eles da pra entender? Foi tudo um mal entendido. - revirei os olhos.

- Isso. - Megan falou para elas.

- Então podemos ir da um "oi" ali naquela mesa. - Mandy se levantou.

- A vontade. – sorri nervosa.

- Er...a vontade. - Megan me olhou.

Elas se levantaram e caminharam até a mesa deles, eu e a Megan nos entreolhamos e começamos a rir, acho que pelas mentiras tão bem contadas, olhei pro Nathan que fazia cara de tédio, enquanto Max olhava pro nada. Fiz um sinal rápido pra eles e puxei Megan pra longe.

- Onde estamos indo? - Megan perguntou.

- Perguntas depois. - parei em frente aos banheiros e logo os dois apareceram.

- Max? Nathan? - Megan os olhou.

- Me agradeça mais tarde. - sorri maliciosa.

- Entendi.

- Agora pra onde vamos? – perguntei.

- Escolha. - Nathan sorriu de lado para mim.

- Veio de carro?

- Nossa, legal, nós quatro se pegando no carro. - Megan revirou os olhos.

- O Nathan veio com o carro dele, e se não me engano vocês não vieram de táxi. - Max falou.

- Então eu e Nathan pro carro dele e você e a Megan pro carro dela. – Falei puxando Nathan, olhamos em volta pra ver se não tinha ninguém reparando em nós e corremos pra onde o carro dele estava estacionado.

(play)

Fomos direto para o banco de trás, já que eram maiores. Me ajeitei em uma posição confortável e logo eu e o Nathan já estávamos nos beijando, puxei ele mais pra perto, se é que era possível, ele apertou a minha cintura e começou a trilhar beijos pelo meu pescoço, comecei a acariciar as suas costas fazendo ele se arrepiar um pouco, ele procurou a barra do meu vestido e o tirou com facilidade, jogando-o nos bancos da frente. Dei leves mordidas no lóbulo de sua orelha enquanto ele apertava minha coxa fortemente, puxei o seu rosto e voltamos a nos beijar desesperadamente, ele pediu passagem da língua e eu cedi, puxei a sua camisa e a retirei rapidamente, distribui beijos pelo seu peitoral descendo até a sua barriga. Abri o botão de sua calça e ela tomou o mesmo destino de sua camisa.

Seu membro já estava completamente excitado o que fez com que eu soltasse uma risada fraca, ele começou beijar o meu colo e logo encontrou o meu sutiã, se livrou dele com a mesma facilidade do meu vestido, ele acariciava meus seios enquanto eu me divertia beijando o seu pescoço. Ele desceu as mãos pela minha barriga e foi em direção ao meu quadril, encontrou a minha calcinha e começou a brincar ameaçando de tira-la, sorri da graça dele, mas não tínhamos muito tempo. Ele a retirou e depois começou a trilhar beijos pelo interior da minha coxa até chegar na minha virilha, depositou um beijo fraco ali e depois voltou para os meus lábios.

Eu já não aguentava mais aquela situação, então desci a mão até o elástico de sua box preta e a tirei rapidamente, de um jeito meio desajeitado e engraçado ele procurou a calça dele e abriu a sua carteira, retirou um preservativo e me entregou, o coloquei lentamente mordendo o lábio inferior, o que fez ele rir.  Segurei em seus ombros e rapidamente ele me penetrou fazendo com que eu solta-se um gemido alto, ele ficou parado por alguns instantes até eu mexer o quadril em protesto. Ele começou a investir fortemente me fazendo entrar em delírio, quando eu já estava para atingir o meu orgasmo ele desacelerou o ritmo. Olhei pra ele que estava com um sorrisinho sarcástico no rosto, revirei os olhos e ele voltou com a velocidade de antes, talvez até mais rápido, cheguei ao meu ápice soltando um suspiro pesado, ele continuou por mais alguns segundos até que relaxou o corpo despejando todo o seu peso sobre mim.

Dei um selinho nele que sorriu fraco pra mim, depois de alguns segundos relaxando ele se levantou devagar pegou a sua cueca, jogou a minha calcinha e meu sutiã e com uma certa dificuldade eu os coloquei, terminamos de nos vestir e saímos do carro com muito cuidado.

- Você sabe onde ta o carro da Megan? – Nathan sussurrou.

- Mais ou menos. – eu disse tentando enxergar onde tava o bendito carro.

- Estamos ferrados.

- Cala a boca Nath! – falei rindo até que encontramos o carro, a gente colocou a cara na janela e os dois estavam aos beijos (na verdade, quase se comendo) eu e o Nathan começamos a gargalhar alto e acabamos chamando a atenção deles que saíram bravos do carro.

- QUE PORRA É ESSA? – perguntou Megan revoltada.

- Desculpa acabar com a graça de vocês mas temos que voltar, minhas primas vão começar a surtar daqui a pouco. – sorri.

- Verdade. - Max ajeitou a sua camisa amassada.

- Ei porque vocês não estão amassados? - Megan apontou para nossas roupas.

- Tiramos rapidamente. – Nathan deu de ombros.

- Me lembre de nunca andar no carro do Sykes. - Megan falou para Max.

- Desde que você não ande no banco de trás. - gargalhei alto.

- Eca aquele carro deve ser uma camisinha ambulante.

- Menos Megan, bem menos. – Nathan falou.

- Não né.

- Vamos entrar? – cortei o assunto.

- Vamos, infelizmente. – Max suspirou. Voltamos para o pub e tomamos caminhos diferentes estávamos voltando para a mesa, mas antes tive a ideia de pegar uma garrafa de tequila no bar, precisávamos de uma desculpa, e seria aquela. Eu e a Megan ficamos em pé apenas olhando aquelas duas se jogando pra cima do resto dos garotos.

- Licença. – pediu Nathan e Max passando por nós limpando as bocas meio sujas de batom, eu e a Meg começamos a rir alto chamando a atenção de algumas pessoas que estavam em volta e nos olharam um tanto quanto curiosos.

- Shiiu! - Megan falou tentando conter a risada.

- Cala a boca Meg. - me sentei abaixando a cabeça e rindo descontroladamente

- P-por favor. - ela não sabia se falava ou ria.

- Mas e então. - tentei falar. - fez alguma coisa esses minutinhos?

- Beijei. - ela sorriu engraçado.

- Só? Affe que amadores.

- Queria o que? Só tivemos alguns minutos.

- Idai?! Da muito bem pra fazer alguma coisa.

- Fazer da, aproveitar é que não da.

- Eu aproveitei. - sorri maliciosa olhando pro Nathan.

- Você pega o Nathan até em cima da London eye.

- Até que não é uma má ideia. – falei pensativa.

- Não né Roxy!

- Calma, to brincado...ou não.

- Ai meu Deus.

- Relaxa e curte Megan.

- Em um local a quatro paredes sim, mas de cimento e não de vidro.

- Pensa o quão divertido seria.

- Não não pensarei e acho melhor mudar de assunto porque o ar ta pesando aqui. - ela falou olhando as duas biscates que vinham vindo.

- E chegou o desastre.

- Estavam aonde? - Mandy fez sua vozinha irritante.

- Se você reparasse ao seu redor veria que tem uma garrafa de tequila aqui. - falei ríspida.

- Foram pegar algo para nós beber-Bel tentou pegar a garrafa, mas Megan puxou.

- Forte demais para as crianças. – eu disse rindo.

- Hora de irmos embora? - Megan perguntou.

- Acho melhor.

- Então vamos.

- Peguem suas coisas vocês duas. - apontei para as garotas e saimos em direção ao carro da Megan.

                                         Megan’s Pov

Chegamos em casa, por volta das 23:00 hrs, logo as vadias subiram para o quarto de hospedes alegando estarem cansadas.

- Vão dormir suas mocreias. - falei baixo enquanto elas subiam a escada. Retirei o salto e fui até a cozinha beber água, aquelas duas vacas iam deixar eu e Roxy loucas. - nossa, necessito de doces -abri o armário e vi uma barra de chocolate - QUER ROXY? – gritei.

- Preciso repor energias, manda ai um pedaço. - ela veio até a cozinha e nos sentamos no balcão. começamos a comer a barra enquanto conversávamos besteiras.

- Então...? – perguntei.

- Diga...

- Sei lá cara. - sorri para ela, enquanto ficávamos ali de bobeira, olhei o relógio da parede.

- CARACA VELHO! Já vai dar 01:00 da manhã. – falei.

- Ai relaxa ta cedo. - Senti meu celular vibrando em cima da bancada. O peguei e vi uma mensagem de Tom.

- É o Tom. - falei olhando o visor, abri a mensagem.

"Ei Gatas pronta pra curtir o melhor da noite? Vamos passar ai daqui a meia hora, tentem fugir das bruxas...saiam no silêncio ;D xx Tom"

- Olha isso! - mostrei para Roxy.

- Esse Thomas não presta, mas e ai ta afim?

- To sim, pronta pra curtir a balada até o sol nascer? – perguntei.

- Com certeza.

Subimos as escadas vagarosamente e fomos até o quarto de hospede, abrimos a porta e vimos Bel e Mandy dormindo. Voltamos correndo a sala e só colocamos os saltos outra vez, depois de alguns minutos, recebi uma sms de Max dizendo que já estava esperando.

- Vamos Roxy. – sussurrei para ela, abrindo a porta do apê.

- Vamos, vamos.

Entramos no elevador e logo estávamos do lado de fora do prédio. Eles estavam divididos em dois carros então corremos e entramos no carro Nathan, onde estava Max.

- Como vocês tem essas ideias? - falei assim que me sentei no banco da frente, onde Max ia dirigindo.

- Somos gênios - Max sorriu girando a chave, o outro carro onde estava Siva, Nareesha, Tom e Jay parou do lado do nosso.

- Para aquele Local. - Siva falou e saiu.

- Por que eu não posso ir dirigindo? - perguntou Nathan bravo.

- Porque você é lento Baby, e essa hora era pra você esta dormindo, não era pra ter vindo. - Max começou a gargalhar e eu o acompanhei.

- Não vi graça. - ele cruzou os braços.

- Eu vi. – o olhei.

- A discussão ta boa, mas eu acho melhor parar. - comentou Roxy.

- Verdade...onde estamos indo? - perguntei e Max balançou a cabeça em negação.

- Isso só vão saber na hora. - ele continuou olhando a estrada. Depois de andarmos muito pela cidade, o carro parou em um estacionamento um pouco lotado.

- Onde estamos? - perguntei assim que descemos do carro.

- Venham. - Max pegou minha mão e andamos até o outro lado da rua, onde tinha uma aglomeração de pessoas.

- E ai gata. -Tom me abraçou e eu retribui.

- Oi meninas. - Nareesha veio nos abraçar.

- Oi Naree! Tem que sair mais com a gente. - Roxy comentou.

- Eu sei. - ela falou tímida.

- Então, vão ou não me dizer onde estamos? - perguntei com raiva.

- Bem vindos a Boate Maddox! - um homem de preto que estava na entrada respondeu a minha pergunta, simplesmente estávamos na Balada mais frequentada pelas celebridades de Londres e que só poderia entrar com nome na lista.

- Nossa que Divo! Quem conseguiu? - Roxy olhou para todos.

- Eu!! - Jay levantou a mão dando aquele seu sorrisinho fofo.

- AWWWWWW JAY TE AMO! - ela gritou.

- Menos Roxy. - falei e ela ficou quieta.

- Vamos entrar ou não? - Siva puxou Nareesha e logo deu os nomes. Entramos atrás dele e a boate estava lotada, de primeiro Tocando David Guetta. Nos direcionamos as mesas, a fim de pedir uma bebida.

- Tom você... - quando o procurei ele já tinha saído junto com Jay, esses dois já saem na noite à procura de algo.

- Vamos dançar Roxy? - Nathan perguntou.

- Com toda a certeza. - ela se levantou ajeitando o vestido e saiu para a pista com ele.
 
- SÓ NÃO VÃO SE ENGOLIR. - gritei e ela me mostrou o dedo de longe.

- A sua Vodca chegou. - Max colocou na mesa o copo e se sentou ao meu lado, colocando o braço por cima do meu ombro e tomando a sua cerveja.

- Hum! - o encarei querendo rir.

- Que foi?

- Nada. - falei e peguei meu copo. Siva e Nareesha estavam aos carinhos do outro lado da mesa.

- Eita melação!! - falei rindo.

- Posso curtir a minha namorada? Quase não a vejo. - Siva me olhou piscando.

- Vai lá solitário.

- Chega de pegar no pé do Seev, vem cá. - Max puxou meu rosto e selou nossos lábios. Sua língua pediu passagem para se aprofundar e logo estávamos sem folego.

- Nossa! – respirei.

- Você não viu nada.

- Por favor, aqui não. - Siva rolou os olhos e ri com sua expressão.

- Nareesha minha diva faça o favor de levar seu namorado para longe? – pedi.

- Claro! - ela o puxou e eles foram abraçados até a pista de dança onde Nathan tentava acompanhar o ritmo da Roxy.

- Coitado, alguém ajuda o Nathan a dançar. – comecei a rir.

- Que tal se importar mais com "nós" - Max sussurrou em meu ouvido. O olhei e ele estava com sua cara Maliciosamente linda, ele mordeu o lábio o que fez eu encarar a sua boca perfeita.

- Quer que eu continue dando em cima de você...? - ele se aproximou outra vez.

- Se possível. - sorri e logo seus lábios foram de encontro ao meu outra vez.

- Vamos sair daqui? - ele sussurrou em meu ouvido, mordendo o lóbulo da minha orelha. Assenti com a cabeça e nos levantamos. Subimos as escadas e demos de cara com dois seguranças, enquanto Max conversa com eles, eu fiquei analisando o local, eram umas salas fechadas, o que acontecia lá dentro? Não me pergunte por que eu não faço ideia.

(play)

Max me puxou e nos direcionamos até a ultima sala daquele corredor, ele entrou e fechou a porta e logo começou a me beijar agressivamente.

- Max... – parei de beija-lo. – e se alguém entrar aqui?

- Relaxa Meg, são salas reservadas para casais, ninguém vai entrar aqui. – ele sorriu malicioso e voltou a me beijar, fomos andando até o sofá sem partir o beijo, me ajeitei no mesmo e logo depois ele deitou calmamente sobre mim, passei as mãos ao redor da sua nuca e o puxei para um beijo, ele pediu passagem da língua e eu cedi, elas dançavam em completa sincronia dentro de nossas bocas. 

Desci a mão até a barra de sua camisa e a retirei podendo visualizar o peitoral dele, e que peitoral! Comecei a trilhar beijos de sua barriga até o seu pescoço fazendo ele soltar um suspiro pesado.
Ele puxou meu rosto e voltamos a nos beijar, dessa vez com um pouco mais de calma, ele mordeu de leve o meu lábio inferior, já me fazendo entrar em delírio, ele tinha um efeito gigantesco sobre mim, eu simplesmente não conseguia controlar os meus instintos ao seu lado. A sua mão que antes estava entrelaçada em meus cabelos, começou a descer pelo meu corpo, quando ele encontrou o que queria soltou outro daqueles sorrisos maliciosos que me faziam pirar, rapidamente meu vestido tomou o mesmo destino que sua camisa.

Ele começou a beijar meu pescoço enquanto me puxava pela cintura colando ainda mais nossos corpos. Eu já estava ficando incomodada com ele ainda de calça, busquei o botão da mesma e o abri, abaixei o zíper lentamente suspirando de leve, ele ainda beijava o meu pescoço enquanto eu descia a sua calça, ele me ajudou retirando-a completamente ficando apenas de box branca, revelando o seu membro completamente excitado, ele começou a descer os beijos pelo meu colo e quando encontrou meu sutiã, sorriu balançando a cabeça negativamente. Passou as mãos pelas minhas costas e encontrou o fecho do meu sutiã abrindo-o facilmente, retirei o mesmo e comecei a fazer carinho por suas costas, ele voltou ao ponto inicial: meu pescoço. Mas desta vez com leves selinhos, desceu pelo meu colo até que chegou em meus seios, olhei para ele que estava completamente feliz com aquela situação, enquanto beijava o meu seio esquerdo ele apertava o outro levemente, fazendo eu gemer baixinho.

Voltou a beijar meus lábios e sua mão desceu até o meu quadril, me puxando novamente para acabar com aquele espaço entre nós, assim que senti o volume em sua cueca soltei outro gemido fazendo ele rir, eu estava desesperada demais, já desejando o seu corpo como nunca antes, desci as mãos até a sua cueca e comecei a ameaçar retira-la enquanto ele me encarava com a sobrancelha arqueada, mordi o lábio inferior e a abaixei, ele retirou-a por completo assim como fez com a calça, olhou bravo pra mim, e apontou para a minha calcinha, comecei a gargalhar daquela situação e dei um selinho o incentivando a retira-la, e assim o fez com a  mesma facilidade do meu sutiã.

Ele começou a beijar a parte interior da minha panturrilha subindo até a minha coxa, senti meu corpo estremecer e logo em seguida me arrepiei, ele continuou os beijos até chegar na minha barriga, a partir dai começou a subir lentamente, até que finalmente selou nossos lábios. Percebi ele procurando alguma coisa em uma das mesas que tinha ao lado do sofá e quando percebi ele me mostrou um preservativo, puxei da mão dele mostrando a língua e o coloquei em seu membro. Logo em seguida ele investiu contra mim, gemi alto e revirei os olhos, acho que aquilo o excitou já que ele continuou com suas investidas fortes e ligeiras, de vez em quando ele tentava me beijar para abafar os gritos, mas eu estava completamente sem folego e não conseguia corresponder, cravei minhas unhas em seus ombros na tentativa de faze-lo diminuir um pouco, mas falhou, ele continuava a investir forte e rapidamente até que atingi o meu orgasmo, relaxei o corpo e ele continuou por mais uns segundos até que relaxou o corpo contra o meu. Comecei a acariciar de leve as suas costas enquanto ele me encarava com um sorriso satisfeito estampado no rosto, eu não conseguia parar de encara-lo e pensar o quanto ele ficava mais lindo daquele jeito suado e com o olhar malicioso.  Olhei o relógio do meu celular e ia dar 04:00 hrs da manhã.

- Max... - sussurrei para ele.

- Hmm? - ele passou a mão em meu rosto, o acariciando.

- Temos que ir, já esta tarde e daqui a pouco amanhece. - falei me sentando, ele se levantou, pegou as suas roupas e trouxe as minhas. Nos vestimos e saímos do local. Quando descemos as escadas, Roxy e Nathan já haviam retornado a mesa.

- Já estão cansados? - perguntei me sentando e Max indo até o bar pegar algo para beber.

- Resolvemos parar para beber um pouco. – Roxy respondeu.

- Temos que ir embora sabia? Olha o horário e daqui a pouco as bruxas acordam e vão ver que não estamos em casa. – falei.

- Puta que pariu, já estava esquecendo que elas existem.

- Bebidas? - Max trouxe várias garrafas de Cervejas para a mesa e se sentou.

- Nem se sente porque já vamos. – falei.

- Precisamos ir logo Meg as putas vão acordar. - Roxy falou desesperada. Nos levantamos da mesa rapidamente e Max e Nathan saíram para avisar os outros, depois de alguns minutos eles voltaram.

- Encontrei Siva e Nareesha e já os avisei, mas Tom e Jay eu não vi. - Max falou.

- Nem eu. - Nathan chegou logo atrás.

- Vamos logo! - os chamei apreensiva e saímos da boate.

                                             Tom’s Pov

Eu voltei pra perto do bar pra buscar uma cerveja, mas a garota de quem eu estava fugindo acabou me encontrando, ela estava me perseguindo desde a hora que eu entrei naquela balada, o que já estava me deixando completamente nervoso, sai correndo para o estacionamento e fiquei lá por um tempo, até que eu reparei o Max e a Megan entrando no carro sendo acompanhados da Roxy e do Nathan, corri até eles e abri a porta desesperado.

- TA FICANDO LOUCO PARKER? – Roxy gritou.

- Foi mal, é que tinha uma garota me perseguindo e eu precisava fugir dela. – sorri nervoso.

- Quase tive um ataque, nunca mais faça isso. – ela pediu tentando se acalmar.

- Não foi minha intenção te assustar... – contive a risada.

- Nós vamos levar as meninas pra casa, tem certeza que vai querer ir junto? – perguntou Max.

- Quero sair daqui o mais rápido possível.

- Quem diria Thomas Parker recusando uma balada. – Megan se pronunciou.

- Calados vocês. – Max ligou o carro e fomos falando besteiras até chegar no apartamento das meninas, nos despedimos, esperamos elas entrarem e fomos direto pra casa, o Nathan passou para o banco da frente e eu me deitei no banco de trás completamente exausto.

- THOMAAAAAAAS! TA VIVO? – Nathan gritou ao meu lado.

- Ann? Que? – levantei assustado.

- Já chegamos, quer dormir no carro? – perguntou Max.

- Prefiro o conforto da minha cama, obrigado. – sai do carro e entrei em casa, me joguei no sofá enquanto o Max se jogou na poltrona e o Nathan se jogou na outra.

- Precisamos dar um jeito de nos encontrarmos com as meninas, sem que as primas da Roxy descubram. – comentou Max.

- Elas tinham que aparecer pra estragar a nossa vida não. – disse Nathan.

- Olha! Eu posso ajudar, já fugi com várias garotas escondido de vocês, e até agora vocês não sabiam, mas vou querer algo em troca.

- Tom se revelando para os amigos. – Nathan gargalhou. – o que vai querer?

- Ainda não sei, mas vou cobrar quando eu precisar. – pisquei. Eu subi pro meu quarto e me deitei na minha cama implorando para pegar no sono rápido.

- THOOOOMAS, ACORDA! - gritou Max. - A MERDA DO SEU CELULAR TA TOCANDO.

- Eu? Ann...onde?

- ATENDE LOGO ESSA MERDA. - Siva falou revoltado.

- Calma ai, e essa invasão no meu quarto? - me sentei na cama e peguei o celular que tocava insistentemente.

Ligação On

- Alôo. - atendi meio sonolento.

-Tom? Tom aqui é a Megan,por favor nos ajuda tem um homem...um homem ele esta na nossa porta do Apê...

- MAS O QUE ELE QUER MEGAN? O QUE VOCÊS APRONTARAM? MEGAN, MEGAN O QUE ELE QUER?

- Eu não sei....a Roxy viu ele com uma câmera na mão, acho que é Paparazzi. - ela sussurrou.

- PAPARAZZI? ESTAMOS FERRADOS.

- Eu...eu não sei o que fazer...me ajuda. - ela pedia.

- DISTRAI ESSE IDIOTA, FALA QUE VOCÊ VAI CHAMAR A POLICIA...

- NÃO DA TOM, QUE PORRA! A ROXY JA FALOU QUE VAI JOGAR AGUA QUENTE NELE E TUDO, MAS ELE FOTOGRAFA MAIS AINDA.

- PORRA MEGAN, EU TO DESESPERADO AQUI, VOCÊS ESTÃO FERRADAS POR CAUSA DESSE CARA, E A GENTE NÃO PODE IR AE AJUDAR.

- E AGORA?

- CHAMA O SEGURANÇA DO LUGAR UÉ. MEGAN CARAII TO INDO AE.

- TOM SEU PORRA VEM AQUI. - ela gritou do outro lado da linha.

- A GENTE TA INDO, PERAI. - eu falei e os meninos já estavam completamente nervosos.

- Tom o que ouve? - Max e Nathan me olhavam pensando o pior com as meninas, era o pior.

- Um paparazzi ta atrás das meninas. - afastei o telefone e respondi.

- Vamos para lá. - Siva já estava descendo as escadas.

- MEGAN? MEGAN? - eu aproximei o telefone de novo.

- Diz, ainda to aqui.

- A GENTE TA INDO AI AGORA, O MAX PEGOU UM BASTÃO E QUALQUER COISA A GENTE BATE NO CARA.

- Tom...Chama o Siva. - ela falou calma.

- NÃO CARA A GENTE TA INDO AI, VOCÊS NÃO PODEM FICAR SOZINHAS. - já estava na sala com os meninos.

- TOM COLOCA A MERDA DO CELULAR NO VIVA VOZ. - ela pediu agressiva.

- COLOCANDO.

- VAI ROXY! - ouvi ela gritando e começando a rir.

- PEGAMOS VOCÊS BABACAS. - Roxy começou a gritar e a tocar bateria loucamente.

- SOLTA A FAMOSA TRILHA! - ouvimos um "Ba dum Tíss" e elas rindo loucamente.

- Não acredito! – Max largou o bastão.

- VOCÊS USARAM DROGA? - Nathan gritou revoltado.

- ELAS SÃO LOUCAS OU O QUE? - gritei revoltado.

- VOCÊS QUEREM MATAR A GENTE? - Jay finalmente falou.

- Só zoar com vocês um pouco, afinal, não queríamos dormir. - Megan falou do outro lado da linha.

- EU VOU MATAR VOCÊS DUAS, VOCÊS DEIXARAM A GENTE PREOCUPADOS, ISSO NÃO SE FAZ SUAS LOUCAS, VOCÊS NÃO TEM NOÇÃO DO PERIGO? - siva andava de um lado pro outro despejando as palavras.

- Calma meu moreno, não precisa disso. – Meg ria.

- NÃO PRECISA? MEGAN VOCÊ QUASE FEZ EU IR CORRENDO A PÉ ATÉ AI. - Max falava apontando para o telefone.

- Max ela não vai ver você apontando. - comentei.

- É verdade. – ele parou.

Continuamos a dar bronca nelas até que resolvemos voltar a dormir, entrei no meu quarto larguei no celular em cima do criado mudo e me deitei. Isso que elas fizeram foi uma brincadeira que vai ter volta...vai ter uma volta mais rápida do que elas imaginam.