terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Capitulo 24



                                                 Roxy’s Pov


Acordei por volta das 09:00 sentindo um frio intenso, olhei para o meu corpo e eu estava apenas com uma camiseta do Nathan, e com o braço dele ao redor da minha cintura. Me levantei calmamente e fui até o banheiro, fiz minha higiene matinal, e por incrível que pareça eu e a Megan já tínhamos nossas próprias escovas de dentes na casa deles. Voltei para a cama e me deitei ao lado do Nath novamente, apenas analisando aquele rosto sereno na minha frente, comecei a mexer em seu cabelo e depois desci as mãos até seu rosto, percebi que ele foi abrindo os olhos lentamente.


- Bom dia amor!! – sussurrei.


- Bom dia... a quanto tempo ta acordada?


- Acho que há uns dez minutos. – sorri.


- Hum. – ele fechou os olhos novamente.


- Vai me largar falando sozinha? – perguntei me sentando na cama.


- Não, Roxy. – ele se levantou preguiçosamente.


- Pensei que ia. – sorri fraco e me levantei, caminhei até as cortinas e as abri. – AAAAAAAAAAAA!!


- O que foi Roxy?!?!? - ele se levantou rapidamente e em um segundo estava ao meu lado com os olhos arregalados de espanto. - você quase me matou. - ele sorriu.


- TA NEVANDO!! – gritei pulando em seu pescoço.


- Você nunca tinha visto? – ele sorriu.


- Eu já tinha visto. Mas eu amo neve, o clima frio, ótimo pra tomar aquele chocolate quente, ficar em casa debaixo do cobertor, ver filme quietinha. Não tem coisa melhor.


- Ainda mais agora que posso fazer tudo isso com você. - senti ele me abraçar por trás.


- Sim! Será perfeito, nosso primeiro dia com a neve. - gargalhei alto e ele me acompanhou.


- Então vamos colocar nossas roupas de frio. - ele falou.


- Bem... eu não tenho roupa de frio aqui, então vou pegar a minha calça e um moletom seu tudo bem? – perguntei.


- Tudo bem.


Rapidamente retirei a camiseta de Nathan que eu estava usando e fui em direção ao armário, nem me importei de estar me trocando na frente dele, peguei o moletom dele que eu mais gostava, azul de um lado e branco do outro, coloquei a minha calça jeans, a minha regata que eu estava usando no dia anterior e coloquei o moletom por cima que ficou gigante. Me sentei na cama e fiquei esperando ele ficar pronto.


- Agora podemos ir. – ele apareceu.


Me levantei e entrelacei as nossas mãos, saímos do quarto e descemos as escadas, ninguém estava acordado ainda, caminhamos até a cozinha e Nathan se sentou na mesa enquanto eu preparava o café da manhã.


- Quero ainda pegar a neve caindo. - ele falou.


- Agora? – perguntei me virando pra ele.


- Se você terminar logo...


- Na verdade, eu já terminei. – me aproximei de Nathan e ele se levantou.


- Então vamos logo. – ele sorriu.


Ele me puxou até a porta da casa, nos entreolhamos com sorrisos idiotas na cara e abrimos a mesma. O clima estava perfeito, a neve caia lentamente, o vento frio estava ótimo, e os jardins todos brancos dava uma sensação de paz. Corri até o quintal e fiquei brincando com a neve em minhas mãos, avistei Nathan sentado na escadinha olhando para rua, atirei a neve nele que me olhou assustado.


- Vai ficar ai olhando pra rua ou vai curtir com a sua namorada? – coloquei as mãos na cintura.


- Não sou muito fã de ficar na neve, só olhar mesmo. - ele falou.


- Então fica ai babaca. – fiz bico e joguei outra bolinha de neve nele acertando seu cabelo, não pude deixar de rir da cara que ele fez, estava chegando até a ficar com dor na barriga.


- Você vai ver Roxy. - ele falou e juntou neve na mão.


- Pode parando por ai garoto do não sou muito fã de neve. – segurei o riso.


- Agora você vai aprender a lição. - ele se aproximou lentamente, formando uma enorme bola de neve nas mãos.


- Não Nathan! Por favor não. – sai correndo pelo quintal.


- Volta aqui. – ele corria atrás de mim.


- Eu não! – olhei para trás e ele já estava mais perto. – NÃO NATHAAN! – gritei rindo.


- Segura pra mim. - ele me acertou uma bola forte nas minhas costas.


- Porra Nathan! Machucou. – entrei em casa o mais rápido possível e ignorei o Max e Megan sentados no sofá comendo panquecas, fui até o quarto e retirei o moletom e a blusa, me virei de costas para o espelho e me deparei com uma marca muito vermelha na parte inferior das minhas costas.


- Desculpa. - ele apareceu atrás de mim e senti seus lábios quente no local.


- Não tem problema. – suspirei pesado e me virei de frente pra ele. – eu sei que foi sem querer.


- Sério Roxy... me desculpa, eu não queria te machucar. - ele tinha os olhos perturbados.


- Não Nathan, não fica assim, sério eu to bem. Não precisa se preocupar meu amor. – eu disse puxando o rosto dele e dando um selinho rápido.


- Ainda bem... ta doendo muito? - ele se virou para ver minhas costas e passou suas mãos geladas no local.


- Quase nada. – fechei os olhos e mordi o lábio tentando não expressar tanto a dor, ele tinha acertado uma bem forte.


- Acho melhor ficarmos aqui dentro... eu falei que eu não gosto de brincar na neve... eu não sei brincar. - ele riu timidamente.


- Também acho melhor. – sorri fraco. – vamos descer e tomar nosso café da manhã certo?


- Ok. – ele sorriu.


Coloquei as blusas novamente, e pegamos o nosso café da manhã. Nos sentamos ao lado da Megan e do Max que ficavam de risinhos e caricias  toda hora, revirei os olhos e observei Nathan que ainda comia, peguei o controle e fui mudando de filme.


- Não tem nada que preste nessa tv? – perguntei já estressada.


- Acho que como hoje é domingo... não tem nada de bom na TV. - Megan me olhou.


- Vou ver os canais de desenhos. – fui passando até chegar nos meus canais favoritos. – AAAA É O GRINCH!! – fiquei em pé no sofá e comecei a pular feito uma criancinha de cinco anos.


- Nathan puxa a Roxy de volta? - Megan pediu olhando sem vontade a TV.


- Desce aqui. - Nathan sorriu e me derrubou em suas pernas.


- Não é o GRINCH!! – gritei novamente.


- O que ta acontecendo aqui? – um Tom sonolento apareceu no topo da escada.


- TA PASSANDO O GRINCH THOMAS, O GRINCH. – gritei animada.


- Essa menina surtou. – Max riu.


- Por favor mudem o canal, eu tenho medo desse bicho verde. - Megan escondeu o rosto nos braços de Max.


- Shiu! É o meu bicho verde, eu amo o Grinch! – eu disse abraçando a almofada.


- Roxy... ele é muito feio. – Nathan riu.


- Não fala do Grinch!! – falei brava.


- Vish!! – Tom disse indo pra cozinha.


- Roxy, você sabe que tenho medo disso desde pequena, desde quando o papai dizia que ele que roubava a arvore de natal. - Meg falou debaixo dos braços de Max.


- Você tem medo desse bichinho feio? – Max perguntou rindo.


- PARA DE FALAR QUE O GRINCH É FEIO! – gritei e fiz cara de emburrada.


- Eu tenho Max, tinha historias que ele roubava as árvores de natal. 
- Megan fez voz de criança.


- É por isso que ele é mal, por que pessoas como vocês não enxergam que o coraçãozinho dele estava quebrado, ele só precisava de amor. – falei com os olhos brilhando, sim eu amava muito aquele filme.


- Mas eu tenho medo dele! - ela esbravejou e se virou, deitada nas pernas de Max no sofá para que não visse.


- Não olha pra tv então. Por que eu vou ver o Grinch seus sem coração, saiam daqui.


- Max faz ela mudar. - Megan gritou abafando o som na barriga e Max.


- Vai Roxy me da o controle. – Max estendeu a mão.


- Não vai mudar. – coloquei a mão pra trás, mas logo Nathan puxou-o da minha mão.


- Deixem, eu vou para a cozinha tirar a paciência do Tom. - Meg se levantou.


- Isso vai lá encher ele vai.


- Porra Roxy! – Max cruzou os braços. – volta aqui Megan, o Nathan muda de canal.


- Não. – ela gritou já sumindo no corredor.


- Se quiserem ir, estão a vontade. – apontei pro dois.


- Eu fico aqui. – Nathan falou.


- Nossa você ta vivo. – falei rindo. – se vão ficar calem a boca que eu quero assistir o... – olhei para a tv e já estava passando os créditos do filme. – MAS QUE MERDA!


- Acabou. – Nathan falou.


- Jura? Pensei que tava começando agora. – ironizei e Max começou a rir.


- Nossa, só falei agora se quiser ficar brava porque quis ficar brigando do que prestando atenção não posso fazer nada. - Nathan se levantou e saiu para a cozinha.


- AAAAAAAAAAAAAAAAAAA. – gritei nervosa. – cadê a minha bateria nessas horas? Quer saber, fica ai revoltadinho então. – sai, e bati a porta com força.


Cruzei meus braços e passei minhas mãos neles na tentativa de esquenta-los, comecei a caminhar pela rua sem rumo algum, apenas na tentativa de esfriar um pouco a cabeça. Quando eu fui perceber já estava em frente ao parque onde eu e o Nathan tínhamos visitado na tarde passada, sentei em um dos bancos e fechei os olhos na tentativa de manter os meus pensamentos em paz.


                               Megan's Pov


Estava sentada na mesa beliscando um pão enquanto Tom tomava seu café tranquilamente. Nathan estava bufando de raiva perto da pia, ele disse que Roxy o tratou mal.


- Vocês e suas briguinhas de sempre. – falei.


- Ela foi rude! Apenas falei que o filme acabou e ela falou besteira! - Nathan grunhiu.


- Ta calma. - levantei as mãos. Max chegou na cozinha, em um vagaroso e preguiçoso andar.


- Só avisando... ela saiu. – Max falou.


- Eu vou atrás dela, deve estar com frio. - Nathan saiu ainda com raiva. Depois de alguns segundos ouvimos a porta bater.


- Eu disse que eles não ficam longe um segundo. - falei rindo.


- Esses dois são uma figura. – Tom comentou rindo.


- Espero que fique bem, porque eu que comecei com meu medo besta. - falei encarando o copo na mesa.


- A culpa não é sua amor, se você tem medo de um filme que ela ama. – Max me abraçou por trás e colou a cabeça sobre o meu ombro.


- Mas eu sabia que ela gostava daquele filme... puta merda porque eu apenas não sai da sala? Ela estaria assistindo e essa briga com o Nathan não tinha acontecido. – falei.


- Ai relaxa Megan você sabe como esses dois são. – Tom comentou.


- Por qualquer coisinha brigam, você lembra no dia do sushi? Mas eles se resolvem é que os dois são meio orgulhos. – Max riu.


- Assim espero. – falei.


- Então o que faremos nesse dia de neve? – Max perguntou.


- Eu voto ficar em casa. – Tom riu.


- Eu não sei, o que quer fazer? – sorri.


- Sofá, filme, coberta, namorada, chocolate quente.


- Um típico programa de dia frio. – falei.


- Você quer fazer alguma outra coisa? – Max perguntou receoso.


- Não isto esta ótimo. – o abracei.


- To caindo fora, minha garota me aguarda. – Tom falou indo para sala e logo ouvimos o barulho das escadas.


- Então vamos ver algum filme legal passando? – Max perguntou.


- Vamos. - ele pegou em minha mão e fomos até a sala, me joguei no sofá enquanto ele pulava os canais da TV. Acabou decidindo em um filme de Natal, porque era só o que passava naquele dia.


- Ei, falta quantos dias pro natal? – Max perguntou me puxando mais para perto dele.


- 7 dias Max, ta desatualizado, não? - sorri dele e me deitei em seus braços.


- To meio perdido no tempo, nada demais.


- Hum, ainda dá tempo do meu presente.


- Pode deixar, que eu vou comprar o melhor presente da sua vida. – Max deu um beijo estalado na minha bochecha.


- Você já é o meu presente. - sorri tímida sentindo as bochechas arderem.


- E você é o meu, amor. – ele sussurrou. – mas eu ainda quero comprar algo pra você.


- Max, sério. Não precisa. – pedi.


- Shiuu! Eu vou comprar de qualquer jeito meu amor. – ele me apertou mais e começamos a assistir “Um homem de sorte”.


- Não para tudo... É O ZAC EFRON! - me levantei rapidamente atenta a TV.


- A não Megan, não acredito nisso. – Max murmurou. – vou mudar de canal.


- Não ouse mudar. - tomei o controle de sua mão e mostrei a língua.


- Affz não acredito.


- Bom dia casal! – Roxy entrou em casa e foi em direção as escadas.


- Cadê o Nathan? - me levantei no sofá de joelhos.


- Ué o nervosinho não ta aqui?


- Não Roxy, ele saiu atrás de você. - falei a encarando.


- Er... acho que ele falhou então. – ela subiu as escadas rindo.


- To vendo o Nathan chegar aqui desesperado igual naquele dia em Barbados. – Max gargalhou alto.


- Ai Max para porque eu tenho pena dele. – falei.


- Por que você tem pena dele? – ele me encarou.


- Porque ele vive fazendo de tudo pra Roxy não ficar com raiva dele, sei lá Max. - cruzei as pernas e prestei atenção na TV, evitando Max me encarando.


- Mas, ela só deu aquelas patadas dela sabe? Nada demais, ele ficou estressado atoa. – Max comentou.


- Sei lá Max, ela é muito bruta com ele... vá entender.


- Ela ta com raiva por que não viu o Grinch, o amado dela. – Max riu e mordeu meu ombro.


- MAS QUE PORRA! – Nathan bateu a porta.


- Calma ai baby. – sorri.


- Por que a revolta? – Max perguntou contendo o riso.


- Não encontrei a Roxy. Percorri o quarteirão todo debaixo da neve e nada dela. - ele passou a mão nos cabelos.


- Ela ta lá em cima. - falei o olhando.


- O QUE? - ele me encarou.


- Ela chegou agora pouco. – comentou Max.


- Eu vou lá. - ele subiu correndo as escadas e logo desapareceu.


- Vai rolar briga? - perguntei a Max.


- Acho que vai. Prepara os ouvidos.


- Eu não quero ouvir mesmo não. - tampei os ouvidos.


Max sorriu para mim e ao fundo comecei a ouvir o toque do meu celular, Max puxou minhas mãos do ouvido e me levantei rapidamente, correndo até a estante e atendendo sem olhar o visor.


- Alô?


- Megan? – ouvi a voz de Enrique.


- Não acredito! Enrique? - perguntei sorrindo, desde Barbados que não falava com ele. Quando chamei seu nome, Max instantaneamente me olhou com os olhos semicerrados.


- Queria saber se estava tudo bem, a gente terminou, mas continuamos sendo amigos certo?


- Claro que sim! Eu ia te ligar pra falar sobre a turnê. - falei e Max estava me fuzilando com os olhos do sofá.


- Ah... pode falar, o que aconteceu?


- Er...não sei como te contar isso,  mas não vou poder mais participar da turnê. - falei fraco.


- Ma...mas por que?


- Teve várias complicações, minha mãe e meu pai estão em Londres, eles quase me levavam de volta para o Brasil, houve vários fatores.


- Bem... já que não tem jeito né, acho que vou ter que arranjar outra dançarina.


- Vai ficar triste? - perguntei e Max levantou uma sobrancelha desacreditando no que eu falava.


- Ficar triste é inevitável, mas eu te entendo, não se preocupe. E como esta com o Max? Ele esta te tratando bem?


- Está tudo correndo bem. - olhei para Max. - e ele está nesse exato momento me encarando.


- Fala pra ele não se preocupar. – Iglesias riu. – eu não vou roubar você dele.


- Acho que ele não vai acreditar muito na sua palavra, do jeito que ele é. – sorri.


- Vou desligar então e vocês conversam, não quero que vocês briguem. Tchau Megan, se cuida.


- Tchau Enrique, me liga qualquer hora. - sorri e desliguei o telefone.


- O que ele queria? – Max perguntou ríspido.


- Perguntar como eu estava. – me sentei ao seu lado.


- Só isso? – ele me puxou e eu deitei em seu colo.


- Disse que não precisava você ficar preocupado, que ele não ia me roubar de você. – sorri.


- Eu não ia deixar mesmo, você é só minha. – Max me deu um selinho rápido.


- Quem disse isso? – mostrei a língua.


- Eu disse, por que você é a minha garota. – me deu mais um selinho. – minha namorada, minha só minha.


- Onde assinei pra ser só sua? - acariciei sua mão.


- Quando você aceitou essa aliança. – ele pegou na minha mão. – você se declarou sendo minha.


- Ok, sendo assim, eu sou toda sua. – pisquei.


- Bom mesmo, por que eu sou todo seu também. – ele começou a acariciar meus cabelos.


- Nossa, me senti amada. – sorri.


- Você sempre foi. – ele retribuiu o sorriso. – eu te amo.


- Te amo muito Maximillian Alberto George. - falei seu nome de um jeito engraçado.


- Te amo mais baixinha. – ele me abraçou forte. – agora vamos ver o filme por que ta interessante. – ele sussurrou rindo.


- Agora você quer ver o Zac Efron não é?


- Na verdade, eu queria ver a atriz que faz papel com ele.


- Na verdade você queria ver estrelas com a mão que vai levar na cabeça. – ironizei.


- Eu tava brincando meu amor.


- Estou de olho. - selei nossos lábios e logo voltei a minha atenção para a TV.


                                    Nathan's Pov


Abri a porta rapidamente e a procurei pelo quarto, encontrei apenas suas roupas em cima da cama e o barulho do chuveiro ligado. Me sentei na cama pacientemente, encarando a porta do banheiro. Apoiei meu braço no joelho e continuei esperando, até que a porta se abriu e Roxy estava enrolada na toalha enxugando o cabelo.


- Roxy! - chamei sua atenção e ela me olhou espantada.


- Passou o nervosismo? – ela cruzou os braços.


- Você fala as coisas e quer que eu fique calado? - a encarei mantendo meu tom.


- Aprende uma coisa Nathan, eu sou assim, eu estava brincando se você não gostou, tudo bem seu direito de falar e me repreender agora sair bufando e com cara de bravo foi ridículo. – ela caminhou até o armário.


- Você queria que eu ficasse sentado, vendo você falando grosserias e Max rindo da minha cara? Acho que não Roxy.


- Você podia muito bem ter me chamado pra conversar e a gente resolvia isso, mas não tem que sempre sair nervoso dos lugares sem olhar na minha cara e ao menos falar alguma coisa.


- Quando é você que faz isso eu não falo nada, apenas sento e fico quieto esperando se acalmar. -sorri.


- O problema ta ai Nathan eu não sou você, eu não sou assim você querendo ou não.


- Ok Roxy, sem problemas. - bati a mão nas pernas e me levantei. - quando parar de me dar patada, estarei no piano na sala. - me levantei e sai do quarto, desci as escadas, precisava relaxar.


Comecei a tocar "Sonata ao Luar" de Beethoven, era uma musica calma e triste, mas realmente relaxante. Estava concentrado, relaxando a cada toque suave da tecla com meus dedos, quando senti alguém se sentar ao meu lado no banco. Olhei de canto de olho e era Roxy.


- Já falei o quanto eu odeio admitir que estou errada? – ela soltou um sorriso fraco.


- Não. - levantei um canto da minha boca, ela estava admitindo estar errada. - quer que eu pare?


- Não, por favor continua, eu gosto de te ouvir tocar.


- Então prossiga. - continuei a tocar.


- Não é fácil pra mim fazer isso, já que meu orgulho fala mais alto. – ela suspirou. – mas, eu quero te pedir desculpas, eu sei que eu passo dos limites, mas, é que eu sou assim, falo sem pensar e acabo falando coisas que eu não quero e magoou as pessoas. Eu só não quero te ver assim Nath, eu te amo muito pra deixar uma briguinha idiota fazer nós dois ficarmos desse jeito. Então você me perdoa? Por tudo?


- Claro Roxy, essas coisas assim eu deveria relevar, mas é que eu ainda não me acostumei com esse seu jeito. – sorri.


- É eu tenho um jeito meio complicado e problemático. – ela suspirou.


- Que eu amo. - sorri. Dei fim a musica e a abracei.


- Eu também te amo, muito...muito...muito...muito. – ela disse me dando vários selinhos.


- Então vamos tocar? – perguntei.


- Não sei tocar meu amor, eu sou mais a minha bateria. – Roxy riu.


- Vem eu te ensino. - peguei suas mãos e apontei a três teclas. - ta vendo essas teclas? Você toca essas duas, quando eu tocar 3. – falei.


- Isso vai dar merda. – ela gargalhou alto. – você vai ter que aprender a tocar bateria agora.


- É verdade. – sorri.


- Então Nath... o que você quer de natal?


- Eu? Nada. – falei.


- Nathan assim você não ajuda, eu não sei o que comprar, você tem tudo. – Roxy fez bico.


- Mas eu não quero nada linda, eu já tenho... você. – sorri.


- Sério Nathan eu não te mereço. – ela gargalhou alto. – você é muito perfeito garoto.


- Eu tento ser.


- Você não tenta, você consegue ser assim. Eu prometo tentar melhorar ta bom?


- Só o seu humor que precisa, o resto esta perfeito. – sorri.


- Se vocês não mexerem mais com o Grinch, vai ajudar muito.


- Ta, a gente deixa você assistir aquele monstro verde. - rolei os olhos.


- Para de chamar ele de monstro Nathan. – ela fez uma voz infantil e cruzou os braços.


- Mas se ele é. – sorri.


- Ta vendo você procura briga, eu amo o Grinch e vou defender ele.


- Ok, não falo mais nada.


- Vamos para a sala? To querendo assistir algum filme, tava passando Um homem de sorte e o Zac Efron ta um ga... – ela parou de falar assim que eu a encarei. – vamos?


- Vamos. - a puxei pela mão e chegamos rapidamente na sala, onde Meg estava deitada no sofá assistindo enquanto Max passava a mão em sua nuca, me sentei no outro sofá e puxei Roxy.


- OMG! O Zac Efron ta lindo. – Roxy comentou com os olhos brilhando.


- Nossa. – revirei os olhos.


- Ela também gosta do Efron? – Max riu.


- Infelizmente. – murmurei.


- Olha esse corpo Megan, ele é muito gostoso. – Roxy ainda comentava.


- Que lindo mano, que lindo. - Meg sorria.


- Não sei aonde lindo. – comentei.


- Na pele, no rosto, no cabelo, nos olhos, na barba por fazer, no corpo... – Roxy tagarelava.


- É a atriz que faz papel com ele também. – Max se ajeitou no sofá.


- Ah cala a boca Max. - Megan encarou a TV.


- É verdade, ela é bonita mesmo. – comentei.


- Então Megan. – Roxy aumentou o tom de voz. – voltando ao Zac lindo, maravilhoso.


- Perfeito. - Meg riu.


- Vão prestar atenção no filme ou ficar falando? – perguntei.


- E você vai parar de olhar pros peito daquela atriz ou vai prestar atenção na história? – Roxy arqueou a sobrancelha.


- Depende do que estiver mais interessante. – sorri.


- Procura outro filme Max.


- Eu não esse dai ta legal. – Max murmurou.


- AGORA! – Roxy e Megan gritaram juntas.


- E o Zac? – perguntei.


- Foda-se o Zac, não quero meu namorado olhando pra uma loira qualquer. – ela falou ríspida.


- Muda Max. - Megan esbravejou.


- Vou mudar, mas se vocês ficarem comentando sobre os caras eu desligo a tv. – Max falou mudando de canal.


- AAAA WHITE COLLAR. – Roxy e Megan gritaram juntas.


- Quem é esse? - apontei pra TV.


- É o Matt Bommer. – Roxy suspirou.


- Ele é lindo. - Megan falou doce.


- Sou mais eu. – falei.


- Sou melhor que esse dai. – Max deu de ombros.


- Lindo é pouco pra ele Megan. – Roxy se levantou e se sentou mais perto da tv e cruzou as pernas.


- Sai da frente que eu quero ver. - Megan se sentou ao seu lado.


- Ele fica tão sexy de terno. – Roxy comentou.


- E esses olhos, e esses cabelos, como eu queria sentir o macio do cabelo dele. - Meg suspirou. olhei para Max que estava com uma sobrancelha levantada.


- Ainda bem que o Nathan tem cabelo. – Roxy rolou no chão de tanto rir.


- Ah...mas, mas, mas... - Megan ficou sem palavras.


- Não acredito nisso, vou mudar de canal, chega de me encher por que sou careca. – Max disse bravo e colocou em um canal de desenho.


- AH NÃO VOLTA VOLTA! - Meg começou a passar a mão na tela da TV.


- Não vou voltar. – Max falou ríspido.


- Pernalonga e Patolino deixa ai. – Roxy comentou.


- Eu quero ver White Collar. - Megan olhou Max com fúria.


- Não vocês estão zombando de mim e falando de outro cara na nossa frente.


- Eu não falei nada. - ela continuava com seu tom baixo, mas com o olhar matador e a voz assustadoramente arrastada.


- Ta legal Megan, me desculpe. – Max mudou de canal novamente.


- Cadê o Jay? – Roxy perguntou mudando de assunto.


- Dormindo. – falei.


- Ainda? Eu vou acordar aquele gordo. – Roxy se levantou e subiu as escadas.


- Onde será que ela foi? - perguntei a Max já que Meg não piscava os olhos.


- Calma Nathan, ela foi acordar o irmãozinho dela. – Max riu.


- Hum, e essa daí? - apontei pra Megan que faltava babar.


- Não vou falar nada. – Max cruzou o braço mas assim que ouvimos um barulho no andar de cima nos assustamos e olhamos para a escada, uma Roxy ofegante e risonha desceu correndo e um Jay sonolento e engraçado com um travesseiro na mão corria atrás dela.


- NÃO JAY, SAI DAQUI. – Roxy gritava rindo dando a volta no sofá.


- Quem mandou você me acordar mocinha? – ele segurava o riso.


- Você já dormiu demais. – ela mostrou a língua mas logo voltou a correr.


- VOLTA AQUI. – Jay gargalhava ainda atrás dela.


- Amor, me protege. – Roxy se sentou ao meu lado e me puxou.


- Não bate nela. - sorri colocando a mão no meio das almofadadas, levando umas também.


- Para de se esconder atrás do seu namorado Roxy. – Jay não parava de rir.


- Se você parar de me dar travisseirada. – ela riu.


- Calados vocês! O Matt ta falando. - Meg falou.


- Quando eu encontrar esse Matt, vou dar um soco na cara dele. – Max comentou.


- Ai que violência. – Roxy riu.


- Porque? - Megan se levantou rapidamente.


- Vai começar. - botei a mão no rosto e Jay se jogou ao nosso lado, só de calção de dormir e bocejando.


- Para de babar por esse cara. – Max cruzou os braços.


- Nossa Max, não posso mais gostar de nada é isso? - Meg cruzou os braços, olhei para Roxy que rolou os olhos apenas.


- Po-pode mas é que eu fico com ciúmes. – ele disse baixinho.


- O careca da Meg não precisa ter ciúmes. - Meg falou engraçado e puxou ele para um abraço. Jay só abria a boca e emitia bocejos com sons.


- Como eu sou uma pessoa bondosa, vou preparar um café pra você Jay. – Roxy se levantou e foi até a cozinha.


- Eu quero Chá. – gritei.


- Eu sei. – ela gritou de volta.


- Então o que vamos fazer no natal? – Max perguntou.


- Ceia?!?! – Jay falou como se fosse obvio.


- Eu sei, mas que tal a gente também fazer algo diferente esse ano?


- Podemos fazer amigo secreto, o que acham? - Megan deu uma ideia.


- Eu gostei. – falei.


- Eu apoio. – Jay comentou.


- Adorei. – Max deu um beijo na bochecha de Megan.


- Cheguei com o seu café. – Roxy se aproximou e entregou a caneca pro Jay. – e o seu chá baby. – ela me entregou a outra caneca e sentou ao meu lado.


- Vamos fazer um amigo secreto. - falei para Roxy.


- Isso é tão divertido. – Ela comentou animada.


- Todos vão participar certo? – Max perguntou.


- Acho que sim. – Jay respondeu.


- Então a gente pode fazer o sorteio lá em casa hoje a noite, já que vão estar todos lá. – Roxy sorriu.


- É, ai todos ficam e jantam. - Meg falou.


- Eu tenho que parar de jantar  na casa de vocês, vou ficar gordinho. – Max passou a mão na barriga.


- Nunca, sempre vai ser gostoso. - Megan levantou a blusa dele e mordeu a sua barriga.


- Existe quarto pra isso. – Jay fingiu uma tosse.


- Acho que eles estão adotando o sistema Noxy. – Roxy riu.


- Olha o que criamos Roxy. - apontei pra eles.


- Aff gente só é uma demonstração de carinho. - Meg sorriu.


- Nathan temos que parar de dar mal exemplo para essas crianças. – Roxy segurava o riso.


- Criamos duas pessoas com esse desejo de "a toda hora em todo lugar" – sorri.


- Acho que a toda hora até pega com eles mas a qualquer lugar... – Roxy começou a rir sendo acompanhada por Jay.


- Parem de falar de nós. - Megan mostrou o dedo.


- Isso é inveja amor. – Max abraçou Megan.


- Recalque. - ela sorriu.


- Nossa, ta vendo Roxy? – falei.


- Nossa Megan tenho tanta inveja por não ter um namorado careca. – Roxy ironizou.


- A não, de novo não. – Max cruzou os braços.


- NÃO ZOEM COM ELE! - Megan gritou.


- A garota ficou brava agora. – Jay ria.


- Jay, não da risada, ela é pior que eu quando ta assim. – Roxy falou.


- Vocês são idiotas! Só porque não são gostosos igual o Max. - ela mostrou o dedo.


- Começou. – Jay revirou os olhos.


- Prefiro o meu magrinho. – Roxy me abraçou de lado. Ficamos ali conversando por horas, sem nos importar se passava do meio dia.


                                   Tom’s Pov


Eu e a Claire já estávamos acordados apenas vendo um filme de natal que passava na tv, não tinha o que fazer naquela tarde, Londres estava coberta por neve, e se saíssemos íamos enfrentar um frio daqueles, então optamos por ficar quentinhos no quarto.


- Já cansei desse filme. – comentei.


- Mas é o único que esta passando. - Claire se moveu.


- Não esta passando nenhuma série?


- Deixa eu ver. - ela começou a mexer no controle da TV. - nada de bom.


- Podia estar passando o Grinch, fiquei com vontade de assistir depois do escândalo da Roxy. – comentei rindo.


- Aquele filme do monstro verde? Ele é legal, porque o escândalo? - ela me fitou com seus olhos claros.


- Por que a Roxy ama ele, e a Megan tem medo.


- Megan com medo? Nossa. - ela fez o barulinho com a boca igual eu faço.


- Só faltou correr pro colo da mãe. – gargalhei alto. – essa casa é pior que novela mexicana.


- Concordo totalmente com você. – Claire sorriu.


- Vamos comer alguma coisa? Sério eu estou com muita fome. – passei a mão na barriga.


- Vamos lá. - ela se levantou em cima da cama e deu um pulo para o chão.


- Você é louca garota. – sorri, e abracei-a de lado. Saímos do quarto e descemos as escadas, na sala, Roxy, Nathan, Megan e Max conversavam animadamente, caminhamos até a cozinha e assim que abrimos a porta nos deparamos com Jay colocando uma caneca na pia.


- E ai Bird. – dei um tapinha nas costas dele.


- Oi Jay. – Claire sorriu.


- Oi. - ele falou desinteressado lavando a sua xícara.


- Esta tudo bem? – perguntei abrindo a geladeira.


- Tudo bem sim. - ele puxou um banco e se sentou, olhando seu celular.


- E ai Jay o que tem de bom? - Claire se sentou ao seu lado.


- Nada mesmo. - ele riu baixo.


- Nossa isso é novidade. – comentei rindo.


- Por que Tom? – Jay me encarou sério.


- Ué não tem nada de bom, e você ainda não perdeu o seu celular. – me sentei um pouco mais afastado e peguei um pedaço de bolo.


- Só estou tendo mais cuidado com esse. – falou.


- Que ótimo Jay, esta mudando. – sorri.


- Não sei. - ele se levantou até a geladeira.


- Tom me da isso. - Claire pegou minha xicara.


- Larga de ser folgada menina, me devolve. – falei rindo.


- Oh Tom, me da. – ela riu.


- Arranja seu próprio café, esse daqui é meu. – continuávamos rindo.


- Nossa! – Jay murmurou.


- Jay o que aconteceu? De boa? Você sempre foi alegre e agora ta tão pra baixo. – comentei.


- Volto já. - Claire saiu da cozinha deixando apenas eu e Jay.


- Ta bom Jay, o que esta acontecendo? – perguntei.


- Nada Tom, já falei.


- Qual é Jay, te conheço faz tempo, fala logo a verdade.


- Falar a verdade, eu não gostei disso entre você e Claire.


- Olha Jay. – respirei fundo. – me desculpa, eu não sabia que você gostava dela, se soubesse nem tinha me aproximado mas, eu senti algo muito forte por ela.


- Eu não gosto dela... mas é que, eu conheci ela e você nem me avisou sobre isso cara.


- Acabou acontecendo cara, nem a gente entende direito, foi tudo muito rápido. Me desculpa Jay.


- Sem problemas, só quero que fale as coisas ok?!


- Sim senhor. – bati continência. – agora fica alegre Bird.


- Tentarei.


- E ai o que temos pra hoje? – perguntei pegando mais um pedaço de bolo.


- Ficar em casa e dormir.


- Já sabem o que fazer no natal?


- Eu ainda não. – Jay coçou os cabelos.


- Vocês também, não pensam em nada. Será que eu vou ter que arrumar tudo igual no ano passado?


- Você Tom? Você arrumar algo? Duvido. - Claire voltou.


- A mocinha ta duvidando da minha capacidade é? – fiz cara de emburrado.


- Sei lá você é tão desorganizado. - ela sorriu.


- E é mesmo. - Jay falou.


- O que se passa aqui? - Megan invadiu a cozinha, dando um empurrão forte na porta.


- SOCORRO! A revoltada chegou. – gritei rindo.


- Eu? Revoltada? Nunca meu bem. - ela sorriu diabolicamente e foi para a geladeira.


- Já vai ser gorda. - Jay riu.


- Ela precisa repor as energias o Max ta causando isso nela. – gargalhei alto.


- Eu vou dar um tapa em vocês dois. - Meg apontou a colher.


- Eu te ajudo. - Claire sorriu.


- Falta só a Naree e a Roxy pra completar o time de mulheres assassinas. – comentei e logo eu e o Jay começamos a rir.


- Cuidado... - Meg falou em tom ameaçador e se sentou na mesa.


- O que se passa? – Roxy invadiu a cozinha.


- Somos assassinas para eles. - Meg sorriu e Claire acenou com a cabeça.


- Somos da máfia Tom, é melhor ter cuidado. – Roxy riu.


- Nossa to me cagando. – sorri irônico.


- Ela tem arma? - Jay sorriu.


- Talvez... ninguém sabe o que a Roxy pode ter na mala. - Meg falou.


- Isso é um mistério. Só a Megan sabe as coisas que eu já aprontei. – Roxy gargalhou alto.


- Pelo visto o papo ta bom. – Max e Nathan adentraram a cozinha.


- Eu to com medo das namoradas de vocês. - Jay falou.


- Que nada. - Claire fez a zoada com a boca.


- Falta a Naree pra completar a máfia, os esquemas eu já tenho pronto. – Roxy riu.


- Que máfia? – Max arqueou a sobrancelha.


- Uma máfia ai amor, fica ligado na parada. - Meg falou apontando a colher para ele.


- Máfia da calcinha Max. – dei um tapa no ombro dele e logo começamos a rir.


- Larga de ser babaca Tom. – Max continuou rindo.


- Nossa Roxy, vamos colocar eles primeiro na lista. - Claire sorriu.


- Eles já estão nela a muito tempo, principalmente o Nathan. Ta desde que eu conheci. – Roxy comentou.


- Eu?? Eu não fiz nada. - Nathan levantou as mãos.


- Você esta ferrado. – Jay sorriu.


- Você que pensa Nath. – Roxy fez cara de má.


- Então todos estão nessa lista? – Max perguntou.


- O SIVA NÃO. – Roxy gritou.


- O Siva é um príncipe e ele não merece está na lista com vocês. - Meg falou.


- Essa lista é coisa do mal e não queremos o Siva nisso, porque ele é a pessoa mais legal daqui. - Claire sorriu.


- E o que nós somos Megan? – cruzei os braços.


- Príncipes que não. – Roxy abriu a geladeira.


- Vocês são... humm deixe me pensar...brutos! - Meg gritou e começou a pular com o pote de doce na mão.


- E convencidos. – Roxy acompanhou Megan, só que pulando com uma garrafa de vodca na mão.


- Olha a diferença delas. - Jay apontou pras duas, que estavam com coisas diferentes e seus tamanhos também.


- Uma bebe demais e a outra come muito doce. – comentei.


- Essas duas ai nunca que vão se parecer. - Jay comentou.


- Ainda bem. – Max falou.


- Por que ainda bem? – Nathan perguntou.


- Só você consegue controlar a Roxy baby, ela consegue ser muito má as vezes. – Max riu.


- E a Megan com suas meiguices é só você. - Nathan sorriu.


- Gente hoje todos vão lá pra casa né? – Roxy perguntou mudando de assunto.


- Para? – perguntei.


- Amigo oculto. – Meg sorriu.


- Ótimo, vai ser divertido.


- Espero que sim. – Max comentou.


- E eu espero não ter que tirar a minha prima. – Roxy sorriu.


- Eu espero não ter que matar a sua prima. – Meg ameaçou.


- Ah não, nós temos nossos ajudantes pra isso Meg, esqueceu que temos uma máfia?! – Roxy piscou.


- Estou vendo que hoje tem sangue. - Jay falou.


- Chega dessa história. O que vamos fazer agora? – Max perguntou.


- Dormir? – Jay perguntou.


- Ai ta pior que o Nathan. – Roxy deu um pedala nele.


- Mas dormir é bom, eu amo dormir. – Meg falou.


- Sedentários. – comentei.


- Não entra nessa onde Meg. – Max falou.


- Por que Max? – Meg jogou as coisas na pia.


- Você vai ficar dormindo enquanto eu vou ficar fazendo o que? Não você vai ficar comigo.


- Eita! - Claire sorriu.


- Nossa Max, não vou virar zumbi que fica vagando ok? - Meg revirou os olhos.


- Quem disse que você vai virar zumbi? Você dormiu pra caramba.


- Você não deixa eu dormir meia hora que já é me chamando "amor, vem cá". - Meg imitou Max e caímos na gargalhada.


- Ai meu bebê não consigo dormir. - Nathan imitou.


- Amor eu quero um beijo. – Roxy também entrou na brincadeira.


- Vocês são muito retardados. – Max deu um tapa no braço da Roxy e do Nathan.


- Ai amor você não vai dormir, agora que ta legal. - Nathan puxou Roxy, ainda imitando Max.


- Amor me solta, eu quero descansar. – Roxy imitou a Megan.


- Calem a boca. – Max murmurou.


- Alguém ficou bravo. – cantarolei.


- Vocês pegam no pé do Max demais. - Megan foi ao lado de Max.


- É por que amamos o careca. – sorri.


- Não liga pra eles, é inveja. - Meg puxou o rosto de Max e o beijou.


- Nossa, estou morrendo de inveja por não possuir cabelos. – comentei e logo todos começaram a gargalhar.


- Vem Max, vamos sair daqui. - Megan o chamou com a voz carregada.


- Desistiram de dormir? – Roxy perguntou rindo.


- Talvez...talvez. - Megan riu e desapareceu na porta, sendo abraçada por trás pelo Max.


- Roxy vamos também, na sala ta passando filme bom. - Nathan sorriu.


- Claro amor. – ela deu um selinho em Nathan, e logo os dois sumiram da cozinha.


- Isso dai vai rolar coisas. – Jay falou.


- Cala a boca Jay. – dei um pedala nele. – vamos pra sala também.


Abracei Claire por trás e fomos até a sala, estava passando outro filme de natal. Nos sentamos no chão encostados no sofá onde Megan e Max estavam, enquanto Jay sentou em uma das poltronas.


                                   Megan's Pov


Depois de acabar mais um filme de Natal, fomos embora. Claire teve que pegar o carro do Nathan e vir nos deixar já que os grosseiros preferiram ficar assistindo o jogo de futebol que passava. Chegamos em casa e avisamos a todos sobre o jantar e o amigo oculto que ia ser sorteado hoje, eu e Roxy corremos para o quarto fazer os papeizinhos.


- Posso fazer algo a favor? - falei mostrando os papeis.


- Como assim? – Roxy me encarou confusa.


- Se eu posso escolher o nome de quem eu quero tirar sem ninguém saber... máfia. – sorri.


- Megan você anda muito malvada. – Roxy sorriu. – mas, eu quero que seja surpresa. Só faz uma marca pequena no papel das nossas primas, pra mim não correr o risco.


- Ok! - peguei a caneta e risquei o canto do papel. - assim a gente evita de dar algo nojento no dia da ceia. – sorri.


- Ai Megan você é um gênio. – Roxy sorriu e me abraçou.


- Eu sei, mamãe me deu isso. - sorri para ela.


- Ta vamos terminar isso logo, por que o jantar é por nossa conta.


- Eu já acabei, vamos descer?


- Claro maninha. – Roxy piscou. Descemos as escadas e começamos a preparar o Jantar, depois que quase tudo estava pronto, subimos para os quartos e fomos nos arrumar. Tomei um banho e me ajeitei devidamente, sai do quarto e fui no da Roxy.


- Ta pronta? - bati na porta.


- To, mas eu quero tocar um pouco. Quando eles chegarem você me chama. – Roxy respondeu.


- Ok! - fechei a porta e ouvi os barulhos da bateria. Isso me lembrava que na próxima semana eu retornaria a academia, já que sai da turnê e a licença acaba. Desci a escada e fiquei sentada junto com papai e tio Christian, depois de alguns minutos a campainha soou.


- Eu atendo. - me levantei e abri a porta, mostrando os meninos sorrindo. Não deixaram eu falar nada e foram logo entrando.


- Oi amor. - sorri para Max.


- Boa noite baixinha. – ele respondeu selando nossos lábios suavemente.


- Baixinha não, já falei. - bati em seu braço.


- Eu to brincando. – ele mostrou a língua.


- Vem eu vou chamar a Roxy. - deixei eles na sala e corri para o quarto. - Roxy! Eles chegaram. - abri a porta.


- Podiam ter demorado né?! Eu tava empolgada. – Roxy resmungou fechando a porta.


- Vamos lá para de ser chata. – a empurrei.


- Fala isso por que você não estava tocando. – fez cara de emburrada.


- Não quer ver o Nathan? Ok vou mandar ele ir embora. - desci correndo as escadas.


- NÃO MEGAN! – Roxy gritou correndo atrás de mim, ela pulou nas minhas costas mas como estávamos na escada acabamos rolando até ficarmos deitadas no chão, olhando para o teto e rindo.


- SAI SUA LOUCA! - gritei a empurrando de lado.


- Eu to do seu lado, idiota. – Roxy me empurrou de volta.


- Meninas vocês estão bem? – tio Christian se agachou ao nosso lado desesperado.


- Eu to bem. - sorri puxando o ar e recuperando o fôlego. Me sentei e todos na sala nos olhavam assustados.


- Fala pra mim que ninguém viu essa cena. – Roxy que ainda estava deitada, cobriu o rosto com as mãos.


- Meninas estão bem? - Nathan e Siva se aproximaram.


- Está enganada, todos estão olhando. – falei.


- Ai que vergonha. – ela falou ainda com as mãos no rosto.


- Sem drama, todos sabem que somos loucas. - falei sorrindo e me levantei, ajeitando a roupa.


- Ô pai me ajuda aqui. – Roxy esticou o braço e o tio Christian a puxou.


- Bem, vamos jantar? – perguntei.


- OPA! – Tom gritou adentrando a cozinha.


- Seu morto de fome. – gritei.


- Ele não é o único. – Roxy correu pra cozinha.


- Nossa vocês ein. – rolei os olhos.


- Vamos amor? Também to com fome. – Max me abraçou de lado.


- Vamos! - sorri e fomos todos, nos sentar a mesa. O Jantar estava servido enquanto todos riam e conversavam.


- E mais uma vez, o jantar foi aprovado. – Tom comentou.


- Graças a nós. - apontei para mim e Roxy.


- Vocês tem sorte rapazes. – papai comentou.


- São pra casar. - minha mãe comentou e baixei a cabeça de vergonha.


- Nathan eu vou roubar a Roxy de você e vou casar com ela, por que olha isso aqui esta ótimo. – Jay comentou.


- Se você ousar isso vai ficar sem as mãos McGuiness. - Nathan apontou o garfo.


- Nossa que medo do baby. – Tom riu. – eu vou roubar a Megan, desculpe Claire. Mas ela cozinha.


- Cala a boca Tom, se contente com o que tem. – Max reclamou.


- Já chega desse assunto não é meninos? - falei envergonhada.


- Eu também acho. – Roxy comentou. – a gente escolhe com quem vai casar e pronto.


- Apoiada.


- Não é com a gente? - Nathan fez bico.


- Se você tirar esse bico, talvez eu até case com você. – Roxy riu.


- Só sobre o meu consentimento. - tio Christian falou.


- Vixe Nathan. – Tom fez cara de sério.


- Então pai, o senhor aprova o Nathan? – Roxy segurou o riso.


- Aprovo ele, casamento agora não. Você é muito nova ainda. - ele sorriu.


- Eu sei pai, relaxa. – Roxy sorriu.


- Hum to sabendo. - ele fez cara de desconfiança e eu sorri alto, me engasgando e tossindo.


- Calma amor. – Max sussurrou.


- Desculpa, quase morria sufocada. - sorri com os olhos ainda lagrimejando.


- Filha você esta bem? – meu pai perguntou. – você e a Roxy só estão dando susto hoje.


- Ah mais isso é o de sempre. – falei.


- Sempre elas são loucas. - Nathan falou.


- A convivência com a gente também não ajuda. – Tom riu.


- É verdade. – Jay falou e Siva confirmou.


- Meninas vai ter um festival essa semana. – minha mãe comentou.


- Jura? – Roxy perguntou animada.


- Onde? – a olhei.


- É aqui em Londres mesmo. Nós conseguimos ingressos, parece que o Coldplay vai tocar.


- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!! – eu e Roxy gritamos juntas.


- Legal. – Nathan sorriu.


- LEGAL NATHAN? LEGAL? É TIPO MARAVILHOSO. – Roxy gritou balançando-o pelos ombros.


- É PERFEITO CARA. – gritei me levantando.


- A meninos compramos ingressos pra vocês também, não se preocupem. – mamãe comentou.


- Vamos ver Coldplay. - Jay levantou seu copo sorrindo.


- Isso vai ser massa. - Siva falou.


- Como se vocês nunca tivessem visto. – Nareesha revirou os olhos.


- Mas uma segunda vez é legal. – Jay falou.


- Pensem meninas, nós vamos estar tranquilas lá, enquanto eles terão que se disfarçar. – Roxy gargalhou alto.


- Ih é verdade. – comecei a rir.


- Mas que droga. – Max comentou.


- E vocês tão ligados né?! Nada de se aproximarem da gente. – Roxy comentou.


- A distância, ou seja... livres! - levantei as mãos.


- Mas por que? – Tom cruzou os braços.


- Esses meninos não pensam. – Nareesha riu.


- Namorada de Nathan Sykes é vista abraçada com um garoto totalmente desconhecido em festival. – Roxy fez uma voz grossa.


- O QUE? - Nathan se levantou.


- É você bocó, disfarçado. – sorri.


- Nossa Nathan, como você é burro. – Tom deu um pedala nele.


- Me espantei com essa. – ele falou.


- Como sempre desligado. – sorri.


- Nathan morrendo de medo da Roxy trair ele. – Max riu.


- Nossa Max ta vivo. – sorri.


- É que eu tava comendo amor.


- Fica de olho na tua também. - Nathan falou e dei um soco em seu braço, fazendo o garfo cair em cima da mesa.


- Hoje você estão impossíveis. – Meu pai comentou.


- A gente sempre foi. – Roxy piscou.


- Então quem quer sobremesa? – me levantei.


- QUERO!! – todos gritaram juntos.


- Nossa pareceu aquele programas infantis "vocês estão prontas crianças? Estamos capitão! - imitei vozes de crianças.


- AAAA BOB ESPONJA!! – Roxy falou animada.


- Ta aqui a sobremesa. - coloquei o sorvete em cima da mesa e a calda também.


- Socorro mais sorvete? – Jay perguntou.


- Vocês vão virar bolinhas. – Roxy mostrou a língua.


- Quem mandou virar nossos amigos? Agora aguentem. – sorri.


- Amigos aspas, sou seu namorado. – Max cruzou os braços.


- Amigo e namorado. – rolei os olhos.


- Isso. – ele sorriu vitorioso.


- Que horas a gente vai tirar os papeizinhos? – perguntou Mandy que até então estava calada.


- Acho que agora, não é? - olhei para os meninos.


- Por mim tudo bem. – Tom sorriu.


- Então vamos para a sala. - todos se levantaram da mesa e caminhamos até o sofá.


                                       Max’s Pov


Ficamos sentados no sofá enquanto a Megan ia passando em cada pessoa com um recipiente de vidro em mãos cheio de papeis, eu era um dos últimos então nem me preocupei. Fiquei analisando a expressão de cada um assim que olharam os nomes, Roxy abriu um sorriso largo assim como o Jay, Bell deu um gritinho e Mandy fechou a cara, Rose sorriu fraco enquanto os pais das meninas não tinham expressão nenhuma, Tom arregalou os olhos mas logo depois deixou um sorriso escapar assim como Siva, Claire e Nareesha apenas sorriram e guardaram seus papeis.


- E o ultimo é o seu. – Megan parou na minha frente.


- Obrigado. – sorri. Desdobrei o papel e li o nome, definitivamente não estava esperando por isso. Guardei o mesmo no bolso da calça e continuei olhando para televisão onde estava passando uma série qualquer.


- Ninguém tirou o próprio nome né? – Roxy perguntou.


- Acho que não. – Tom comentou.


- Então esta valendo esse. Temos uma semana para comprar o presente. - Meg falou.


- Temos uma semana pra comprar todos os presentes, do amigo secreto, cozinhar, arrumar decoração, comprar roupas... – Roxy falou desesperada e parou para respirar.


- Ai... meu... Deus! ROUPAS! Eu preciso de roupas!!! Eu não tenho roupa. - Meg se desesperou junto com Roxy.


- Gente as roupas! – Claire comentou.


- MENINAS SHOPPING AMANHÃ. – Nareesha gritou.


- EBA! - Megan começou a pular.


- Enquanto vocês vão no shopping a gente faz a decoração então. – Tom falou.


- Sério? – Megan sorriu.


- Lógico, vocês vão chegar e vai estar tudo arrumado. – sorri.


- Mas o natal não é só dia 25? - Claire perguntou.


- Sim mas, a decoração fica pronta antes né?! – Siva falou.


- É. – Meg sorriu se jogando ao meu lado.


- Então, acho que ta na hora de ir embora. – me levantei.


- Ah, mas já? Não. – Meg fez bico.


- É gente fiquem mais. – Roxy comentou.


- Mas temos que ir. – Nathan falou.


- Ah não baby. – Roxy cruzou os braços.


- Mas, os meninos já estão até na cozinha se despedindo. – falei.


- Mas fica um pouco mais Maximillian! - Meg falou irritada.


- Mas por que toda essa insistência? – perguntei rindo.


- Não posso desfrutar da companhia do meu próprio namorado? - ela deu a sua maior cara penosa.


- Mas é claro que pode, mas amanhã todo mundo vai acordar cedo pra arrumar a casa. – Falei.


- Ta Max, vai logo. - Megan fechou a expressão com raiva e cruzou os braços.


- Ela ficou brava. - Nathan cantarolou.


- Vocês não iam embora? – Roxy abriu a porta.


- Vão. - Meg ordenou.


- Agora as duas estão com raiva. - Nathan falou afirmativo.


- Vocês me tiram do sério. – Roxy suspirou.


- A gente sabe. – pisquei.


- Ainda está aqui Max? Pensei que já tinha ido. - Megan se levantou.


- Parem com isso. – cruzei os braços.


- Oh Roxy, vamos subir? - Megan a chamou como se não estivéssemos ali.


- Vamos, to querendo a minha bateria. – Roxy respondeu já subindo as escadas.


- Mas... mas Roxy. – Nathan a chamou.


- Ai que droga! – Roxy suspirou. – eu prometi pra ele que ia melhorar o meu humor Meg. – Roxy desceu as escadas e deu um selinho rápido em Nathan.


- Vai lá ficar com o Nathan, pelo menos ele é fofo! - Meg gritou para a minha direção.


- Megan para com isso, você não gostou de ontem? Eu não fui fofo? – perguntei.


- Foi, mas você quer ir embora, nem precisa ir. - Meg fez bico outra vez.


- Mas eu não quero incomodar, além disso amanhã vocês vão acordar cedo para as compras de natal. – comentei me aproximando dela.


- Ah Max. – ela suspirou olhando pro chão.


- Poxa amor, não fica brava. – levantei seu rosto e selei nossos lábios em um selinho demorado.


- Tudo bem, você sempre me faz ficar feliz com esse seu jeito. - ela sorriu.


- E o casal se acertou. - Nathan falou.


- Depois falam da gente. – Roxy mostrou a língua.


- Vamos? – Jay apareceu na porta junto com o pessoal.


- Vamos sim. – sorri e dei um selinho rápido na Megan.


- Tchau Max... tchau meninos. – Meg sorriu.


- Vou indo bebê. - Nathan falou para Roxy.


- Tchau amor. – Roxy deu um selinho demorado em Nathan e depois acenou para todos. – Tchau gente.


Nos despedimos de todos e saímos do apartamento das meninas, entramos nos carros e fomos embora. Minutos depois já estávamos na nossa casa, corri para o banheiro e tomei um banho rápido, sai e fui direto para o meu quarto, coloquei a minha boxer e uma calça de moletom. Me deitei e fiquei olhando pro teto por um tempo e pensando, não demorou muito e peguei no sono.